VH Consultores

PERFIL EMPREENDEDOR I

Você está pensando em iniciar seu próprio negócio?

Nesse caso, você já deve ter se perguntado: Será que tenho habilidade suficiente para tocar uma empresa?

É, algumas pessoas realmente não possuem o perfil adequado para ter uma empresa.

Para muitos, para deixar de ser empregado e passar a patrão, basta conhecer a atividade em que vai atuar. No entanto, um perfil empreendedor adequado pode definir o sucesso ou fracasso de um negócio. Uma pessoa que tem aversão a correr riscos ou que não sabe planejar pode passar por sérias dificuldades para fazer a empresa prosperar. E não é só isso! Um bom empreendedor precisa ser persistente, estabelecer objetivos claros e consistentes e ter muita confiança em sua capacidade de realização. Essas são algumas das qualidades essenciais de um perfil empreendedor.

É importante refletir sobre os desafios por trás de um negócio próprio. Estar preparado para as dificuldades é fundamental para colher os frutos do sucesso.

O importante é estar consciente de suas limitações e procurar desenvolver os aspectos em que você se considera mais despreparado. Ou então, busque alguém que complemente seus pontos fracos para agregar à equipe. Lembre-se de que ninguém pode ser excelente em tudo.

PERFIL EMPREENDEDOR II

Você sabe quais as características de uma pessoa com perfil empreendedor?

Apesar de não existir um perfil único que defina um empreendedor de sucesso, há uma série de características que são bastante comuns.

Quanto mais dessas habilidades estiverem presentes, melhor.

De forma geral, o empreendedor deve ter visão, iniciativa, saber planejar suas ações e gostar do que faz.

Ser curioso, questionador, estar atendo às oportunidades que surgem, seja de negócios, de tecnologia ou de inovações são outras características importantes.

Por fim, a disposição para assumir e calcular riscos, aceitar e aprender com os erros, ser perseverante e otimista, completam o perfil ideal de um empreendedor.

Mas atenção. Não é necessário que todas essas qualificações estejam presentes em apenas uma pessoa.

Um empreendedor de sucesso não apenas possui várias características de comportamento específicas, mas também sabe reconhecer seus pontos fracos. É natural possuirmos habilidades maiores em determinadas áreas. Por isso, os empreendedores procuram sempre se cercar de pessoas com habilidades complementares às suas. Pode ser um sócio, um funcionário, ou até um prestador de serviço. O importante, é não deixar o orgulho tomar conta e buscar ajuda quando necessário.

Se você tem mais habilidade com números, mas é tímido para lidar com pessoas, busque alguém que tenha facilidade de comunicação para a área comercial. Concentre sua atenção naquilo que você faz melhor!

E para que esse seja um time empreendedor, seus participantes têm de ter capacidade de trabalhar em equipe e boa comunicação entre si.

5 COISAS QUE PODEM DAR ERRADO POR NÃO PLANEJAR

Você pensa em iniciar um negócio próprio?

Ou você é daqueles que primeiro age e depois pensa sobre o que fez?

Algumas vezes, pode até dar certo, mas nem sempre se pode contar com a sorte, não é mesmo?

Iniciativa é fundamental para produzir resultados, porém, quando se trata de investir seu tempo e dinheiro, é melhor dar uma paradinha para colocar as idéias em ordem.

Você conseguiria se imaginar explorando a selva amazônica sem um guia? Ou embarcar num avião sabendo que o piloto não tem plano de vôo? Curiosamente, quando se trata de novos negócios, o óbvio – o Plano de Negócios – passa despercebido. Muitos pensam que o Plano de Negócios é uma mera formalidade para se conseguir dinheiro em bancos. Não é! Um bom planejamento é essencial para que o empreendedor avalie a viabilidade econômica e pare para refletir se vale a pena empenhar seu tempo e recursos na ideia.

Veja a seguir 5 coisas que podem dar errado por não fazer um Planejamento de Negócio:

  1. Ficar sem dinheiro antes de abrir as portas porque você não antecipou seus custos de abertura
  2. Falta projeções de vendas porque você realmente não sabe quem são seus clientes e o que eles querem
  3. Perder clientes porque sua qualidade ou serviço fica aquém da expectativa (que você nem sabe qual é)
  4. Perder o foco, tornando-se oprimido pelas muitas oportunidades que aparecem porque você nunca tomou o tempo para se concentrar em uma missão e visão para a sua empresa
  5. Ir à falência porque você não tem um modelo de negócios racional ou um plano de como ganhar dinheiro

Parece que muito trabalho precisa ser feito antes de iniciar um empreendimento.

É verdade! É preciso buscar as informações necessárias e avaliar com cuidado as possibilidades de sucesso. O otimismo exagerado pode cegar o futuro empresário em relação às ameaças que podem prejudicar o desempenho do negócio.

Portanto, vale a pena investir na elaboração de um Plano de Negócio. Quanto melhor o planejamento, menor o risco de não dar certo.

3 DICAS PARA DEFINIR O SALÁRIO DO DONO

Você sabe o que é “pró-labore”?

A expressão “laborar” significa “trabalho”. Pró-labore, então, é a remuneração do empresário pelo trabalho que ele realiza na empresa .

Um dos problemas de ordem financeira que ocorre com certa frequência nas pequenas empresas é a confusão entre o “pró-labore” e o lucro do negócio.

Muitos empresários colocam a mão no dinheiro do caixa sem ter o cuidado de saber se o dinheiro realmente lhe pertence.

É bastante comum encontrar empresas onde o dinheiro da empresa se mistura ao dinheiro de seu proprietário. Em alguns casos, itens como “jantar com a família” ou “férias na praia” apareçam em meio às despesas da empresa. É preciso que o empresário perceba que o controle de seus gastos pessoais deve ser feito à parte dos controles da empresa. É interessante definir um valor mensal que faça jus ao seu esforço e seja suficiente para pagar as contas pessoais, e que esse valor seja administrado separadamente. Assim, fica mais fácil saber o lucro do negócio, que, preferencialmente, deve ser utilizado para o crescimento das operações da empresa, e não para aumento do patrimônio do próprio empresário.

Caso os negócios estejam indo bem, estabeleça um novo valor para a sua retirada e reprograme seus investimentos pessoais.

Mas não esqueça: mantenha firme seus controles financeiros, principalmente as despesas da empresa, e evite surpresas desagradáveis no futuro.

Aqui vão três recomendações importantes para estabelecer o quanto sua empresa pode lhe pagar:

  1. Implante a cultura do fluxo de caixa! Tenha controle de tudo o que entra e sai de dinheiro na empresa e faça projeções para os próximos meses. Assim você saberá qual a necessidade de capital de giro do negócio e poderá estabelecer valores para sua retirada que não impactem negativamente na saúde financeira da empresa.
  2. Organize suas contas pessoais. Normalmente quem não controla suas despesas de forma eficiente tende a gastar mais. Estabeleça datas de pagamento para suas despesas e registre o que você gasta, agrupando por categorias.
  3. Defina um valor mensal de retirada assim que possível. É comum que no início da operação a empresa não possa lhe pagar o que você merece. Mas, principalmente se você depende dela para sobreviver, é importante que a empresa possa lhe sustentar minimamente. Por isso é tão importante elaborar seu Plano de Negócio ao iniciar a operação. Normalmente recomendo o seguinte: estabeleça o mínimo que você precisa para sobreviver e o máximo que poderia retirar da empresa sem prejudicar o negócio. Defina então um valor dentro dessa faixa, e siga ajustando de forma coerente com o crescimento do negócio.

3 CARACTERÍSTICAS TOP DAS MULHERES EMPREENDEDORAS

O caminho do negócio próprio é uma das alternativas para aumentar a rendimento ou até mesmo tornar a atividade como principal fonte de renda. Nos últimos quatorze anos, o número de empresárias subiu 34%, segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Em 2014, o País tinha 7,9 milhões de empresárias. Segundo pesquisas da Global Entrepreneurship Monitor (GEM), em 2015, dos empreendedores que iniciaram negócios 49% são mulheres.
Apesar do perfil empreendedor, as mulheres possuem algumas características muito particulares que as levam a ter mais êxito que os homens quando iniciam seus negócios. A prática da VH Consultores no atendimento de diversas demandas de implantação de novos negócios ao longo dos anos trouxe algumas reflexões sobre o assunto. Veja a seguir 3 características importantes do perfil das empreendedoras:

1 – As mulheres fazem mais perguntas – diferente da maioria dos homens, as mulheres não se sentem minorizadas ao não saber sobre um assunto. Logo, tem mais facilidade para buscar informações sobre assuntos que desconhecem e não se preocupam em aparentar que tudo sabem. Muitos homens ainda sofrem desse mal gerado pela cultura impregnada na criação da grande maioria.

2 – Mulheres são mais cautelosas – embora isso dificulte algumas vezes a se lançarem em desafios mais audaciosos, a precaução leva boa parte das empreendedoras a planejarem mais que os homens, principalmente quando estão colocando suas economias em jogo. Isso acaba tornando seus negócios mais sustentáveis no médio prazo, pois o passo é geralmente do tamanho da perna!

3 – As mulheres utilizam suas redes de contato de forma mais objetiva e transparente – certamente haverá quem conteste, mas o que se observa na maioria das empreendedoras é que elas gastam menos tempo com “jogos de poder” do que os homens, quando o assunto é ter ajuda para atingir seus próprios objetivos. Isso certamente as favorece em aspectos como acesso a pessoas importantes, negociação com clientes e fornecedores e diversos outros pontos que demande relacionamento.

Bem, se você não concorda com os pontos acima, tudo bem. Isso não é regra!

Mas já foi comprovado, por exemplo, que franquias geridas por mulheres possuem um faturamento significativamente maior que as geridas por homens. Geralmente elas são mais dedicadas e atentas aos detalhes, sem falar que podem dar conta de mais de uma atividade ao mesmo tempo.
Se você, empreendedor, ainda tem algum preconceito em ter uma mulher como sua sócia, cuidado. Existe uma grande chance de trabalhar para alguma delas num futuro próximo!

Abraço e Sucesso!

DESCUBRA O MAPA DA MINA

Se você está pensando em iniciar um negócio próprio já deve ter se perguntado sobre qual a melhor oportunidade.

Embora não exista uma resposta única para essa pergunta, é importante considerar alguns aspectos.

Uma verdadeira oportunidade de negócio deve considerar em primeiro lugar as necessidades identificadas para um determinado nicho de mercado. Procure prestar atenção às queixas das pessoas e encare os problemas como possibilidades para empreender. Caso perceba alguma necessidade não satisfeita, avalie se você teria condições de atendê-las. O mais comum, porém, é buscar formas alternativas para atender à necessidades que estejam sendo atendidas, porém não de uma forma satisfatória.

Mas nem todos iniciam seus próprios negócios baseado em uma oportunidade. Para alguns, um galpão ocioso ou o recebimento de uma indenização já são motivos bastante estimulantes para iniciar um empreendimento.

Mas será que isso é suficiente?

O recebimento de uma herança ou bonificação, a vontade de ajudar um amigo ou parente e mesmo a perda ou decepção com seu emprego são motivos que levam muita gente a buscar o caminho do próprio negócio. No entanto, já foi constatado pelos próprios empresários que fatores desse tipo são insuficientes para começar um empreendimento. É fundamental que o ponto de partida seja a vontade de empreender, aliada a uma necessidade de mercado.

Perceba que o sucesso de algumas pessoas em determinados ramos de negócio não significa garantia de bons resultados para você.

É importante que a motivação seja a realização e tenha um significado pessoal.

Se você está pensando em iniciar um negócio próprio, é preciso também ter cuidado com algumas “armadilhas” bastante comuns.

Muita gente se sente tentada a aproveitar as “ondas” do momento, mas que nem sempre têm um final feliz.

É bastante comum encontrar pessoas que começam um empreendimento a partir de um modismo, lançado por alguma novela ou programa de televisão. É preciso ter cautela, pois esse tipo de negócio tende a entrar em decadência com a mesma velocidade com que surge. Se optar por esse tipo de negócio, faça um planejamento preciso de modo a ganhar o suficiente antes que a idéia se torne ultrapassada.

E tenha cuidado também com as idéias aparentemente originais.

Se você identificou um nicho de mercado onde ninguém mais atua, é preciso avaliar se a ausência de concorrentes não se deve a falta de potencial desse mercado.

E lembre-se que a persistência é uma das características dos empreendedores bem-sucedidos.

Se quiser saber mais, acesse  aqui  o e-book  gratuito”Meu Negócio – Por onde começar?”

5 RAZÕES PARA FAZER UM PLANO DE NEGÓCIOS

Muitas pessoas ficam em dúvida se vale ou não a pena envidar esforços para elaborar um  Plano de Negócios  antes de colocar o seu empreendimento à prova. Pois bem, acredito que poderiam ser enumeradas diversas razões para justificar esse esforço. Mas, para não ser muito cansativo, aqui vão apenas 5 dos principais motivos:

1. Para mapear o futuro

Um plano de negócios não é apenas necessário para garantir o financiamento na fase de arranque, mas é um auxílio vital para ajudá-lo a gerir o seu negócio de forma mais eficaz. Ao comprometer seus pensamentos para o papel, você pode entender melhor o seu negócio e também traçar cursos específicos de ação que precisam ser tomadas para melhorar o seu negócio. Um plano pode detalhar cenários futuros alternativos e definir objetivos e objetivos específicos, juntamente com os recursos necessários para alcançar esses objetivos. Ao compreender o seu negócio e o mercado um pouco melhor e planejamento de como melhor operar dentro deste ambiente, você estará bem colocado para garantir o seu sucesso a longo prazo.

2. Apoiar o crescimento e garantir o financiamento

A maioria das empresas enfrenta decisões de investimento durante o curso de sua vida. Muitas vezes, essas oportunidades podem não ser financiadas apenas por fluxos de caixa gerado pelo próprio negócio e a empresa deverá buscar financiamento externo. No entanto, todos os potenciais credores exigirão acesso às demonstrações de resultados / demonstrações de lucros e prejuízos recentes da empresa, juntamente com um plano de negócios atualizado. Em essência, o primeiro ajuda os investidores a entender o passado, enquanto o plano de negócios ajuda a dar-lhes uma janela para o futuro. Ao procurar investimento em seu negócio, é importante descrever claramente a oportunidade. Os investidores vão querer saber:

  • Por que seria melhor investir em seu negócio, em vez de deixar dinheiro em aplicação financeira ou investir em outro negócio?
  • Quanto valeria seu negócio se você fosse vender hoje?
  • Por que alguém colocaria dinheiro na compra de seu negócio?

Um plano de negócios bem escrito pode ajudá-lo a transmitir esses pontos para potenciais investidores, ajudando-os a se sentir confiante em você e no rigor com que você considerou cenários futuros. O componente mais importante para eles será evidência clara da capacidade futura da empresa de gerar fluxos de caixa suficientes para cumprir as obrigações da dívida, ao mesmo tempo em que permite que a empresa opere de forma eficaz.

3. Desenvolver e comunicar um curso de ação

Um plano de negócios ajuda uma empresa a avaliar as oportunidades futuras e se comprometer com um determinado curso de ação. Ao passar o plano para papel, a empresa está melhor preparada para se concentrar em suas atividades-chave. O plano pode atribuir marcos a indivíduos específicos e, em última instância, ajudar a gerência a monitorar o progresso. Uma vez escrito, um plano pode ser divulgado rapidamente e também levará mais perguntas e feedback dos leitores ajudando a garantir um plano mais colaborativo é produzido.

4. Para ajudar a gerenciar o fluxo de caixa

A gestão cuidadosa do fluxo de caixa é um requisito fundamental para todas as empresas. A razão é bastante simples – muitas empresas falham, não porque não são rentáveis, mas porque, finalmente, se tornam insolventes (ou seja, são incapazes de pagar suas dívidas à medida que elas vêm). Enquanto o ponto de equilíbrio – onde a receita total é igual aos custos totais – é uma figura altamente importante para as empresas em fase de arranque, uma vez que um negócio está ativo e funcionando lucrativamente, torna-se menos importante. A gestão do fluxo de caixa torna-se então mais vital quando as empresas buscam oportunidades de investimento onde há fluxos de caixa significativos, antes dos fluxos de caixa entrarem. Essas oportunidades precisam ser avaliadas contra quaisquer variações sazonais no negócio e o momento dos fluxos. Portanto, um plano de negócios bem estruturado irá ajudá-lo a gerenciar as necessidades de financiamento com antecedência.

5. Apoiar uma saída estratégica

Finalmente, em algum momento, o proprietário da empresa poderá decidir que é hora de sair. Considerar a estratégia de saída provável com antecedência pode ajudar a informar e dirigir as decisões do dia atual. O objetivo é liquidar o investimento, para que o proprietário / investidores atuais tenham a opção de descontar quando quiserem. Estratégias de saída comuns incluem;

  • Oferta Pública Inicial de ações (IPO’s)
  • Aquisição por concorrentesFusões ou Sucessão familiar
  • Compras de gestão

As decisões de investimento podem ser tomadas no presente com um olho no futuro através de um plano de negócios bem pensado. Por exemplo, se a rota de saída mais atraente parecia estar vendendo a um concorrente, as decisões atuais de gerenciamento e investimento poderiam se concentrar em atividades que aumentariam a atratividade da empresa para esse concorrente. Dado que a valorização das empresas é notoriamente difícil e subjetiva, um plano bem escrito irá destacar claramente a oportunidade para os investidores de entrada, o valor da mesma e aumentar a probabilidade de uma saída bem sucedida pelo proprietário atual.

Assim, pense nisso se estiver em vias de iniciar seu próprio negócio.

Abraço e Sucesso!

Vitor Hugo